Veja dicas para organizar banheiros pequenos

A consultora de organização Irene Cristina Loureiro, da Benfatto, alerta: remédios, perfumes e maquiagens devem ficar fora de banheiros pequenos. Esses ambientes sofrem muitas oscilações de temperatura, o que pode estragar os produtos.
Apenas o essencial
A consultora de organização Carine Rennó, da Questão de Ordem, recomenda que apenas as coisas essenciais, como produtos de higiene pessoal e bucal, fiquem no banheiro. “Guardar todas as toalhas no banheiro, por exemplo, ocupa espaço demais e é desnecessário”, disse.
Pequenos aliados
Cestos para guardar objetos e prateleiras pequenas nas paredes multiplicam os espaços. Aposte neles.
Acessórios práticos
Irene lembra que existem, no mercado, prateleiras e cestas com ventosas, que são práticas, pois, para fixá-las, não é preciso furar a parede.
Organização à mão
Na hora de organizar o banheiro, os objetos devem ser agrupados de acordo com a frequência de uso, deixando sempre à mão aquilo que é mais utilizado.
Portas de correr
Carine sugere usar portas de correr, tanto na entrada do banheiro quanto no box. Dessa forma, economiza-se um espaço precioso.
Cores claras
Cores escuras, definitivamente, não colaboram com banheiros pequenos. Podem dar inclusive a aparência de que são ainda menores. Portanto, tons claros são a aposta correta, como mostra o projeto assinado pela designer de interiores Sandra Sanches Montero.
Detalhes
Investir em cores claras não significa que o ambiente deva ser sempre liso. Pode, sim, contar com detalhes. Vale apostar em faixas ou pastilhas, como fez a designer de interiores Maximira Durigan. “Mas é importante sempre evitar tons fortes e berrantes, e preferir os pastel”, disse Astrauskiene.
Detalhes coloridos
O ambiente pode até ser claro, mas existe a possibilidade de ganhar detalhes e cores diferentes (sem exagero, é claro) por meio de tapetes, vasos. Mas nem pense em fazer muitas misturas, como juntar toalhas rosa, tapete azul, vaso laranja. “Os objetos não precisam ser do mesmo tom, mas as matrizes devem conversar entre si”, afirmou a designer de interiores Sandra Sanches, que assinou o banheiro da foto, com variações de lilás. Se enjoar do visual, basta trocar os objetos. O aspecto muda sem que se gaste muito.
Abuse de espelhos
Espelhos não servem apenas para conferir a aparência. Têm função especial na decoração: dar a impressão de que o espaço é maior. Sandra Montero, que investiu neles nesta suíte, dá a dica para que tenham película desembaçante.
Boxe transparente
A lista de opções de boxe é grande, mas os donos de banheiros pequenos não devem se empolgar ao ver um muito trabalhado. É que pode prejudicar o ambiente ao conferir aspecto ainda menor. A sugestão do arquiteto Sergio Astrauskiene para fugir de erros é investir no transparente e liso, como o do projeto idealizado pela arquiteta Alessandra Luz.
Banheira confortável
Por mais que você sonhe em tomar banhos relaxantes em uma banheira cheia de espuma, o desejo só pode ser concretizado se houver espaço para colocar uma de tamanho confortável, como no ambiente proposto pela arquiteta Alessandra Luz. Caso contrário, vira um problema em vez de uma solução agradável. Na opinião do arquiteto Astrauskiene, a banheira deve ter a partir de 1,40m de comprimento por 90cm ou 1m de largura. “Fora que é preciso ter espaço para itens como bomba e caixa de manutenção.”
Evite muitos móveis
Não caia na tentação de espalhar muitos móveis pelo banheiro. Pense sempre em aliar conforto e praticidade. Basta ter um local para guardar produtos, como um gabinete, e, se houver espaço, Astrauskiene recomenda uma tulha para roupa suja dentro do próprio móvel, com porta basculante.
O ambiente idealizado pelas arquitetas Elizabeth Braido e Alessandra Ceceli traz apenas um armário com duas portas. Assim, o banheiro fica mais espaçoso e agradável.
Cuidados com os móveis
Como o banheiro é bastante úmido, é fundamental ficar atento na hora de escolher os móveis. Podem ser revestidos externamente com MDF, folhas de madeira ou fórmica. “É importante que a folha de madeira seja impermeabilizada, um tratamento comum para qualquer tipo de madeira”, afirmou Astrauskiene.
A dica do arquiteto, que assinou o projeto da foto executado pela empresa Primeira Linha, é que o gabinete não tenha fundo com a meta de proporcionar mais facilidade quando houver necessidade de manutenção da parte hidráulica. Utilizar fórmica branca por dentro evita problemas maiores em caso de vazamento.
Normalmente, as portas do banheiro são de madeira, mas, se quiser variar, outra sugestão é de vidro com alumínio em volta. As de correr conferem espaço maior à área de higiene pessoal.
Decoração diferenciada
A decoração do banheiro não precisa necessariamente seguir a da casa, seja ele pequeno ou grande. Se os ambientes forem todos brancos, o espaço para higiene pessoal pode ser colorido, por exemplo, na opinião de Astrauskiene. Confira as recomendações do arquiteto para quem quer conferir os seguintes aspectos:
Moderno: Trabalhe com branco para não errar e utilize pastilhas transparentes, vidros e outros materiais com conotação moderna;
Descolado: Aposte em cores, desenhos, mosaicos. O projeto da foto, com porcelanato da Colormix, traz recortes de jornais;
Rústico: Invista em bancadas ou divisórias de madeira rústica.
Antigo e moderno
Misturar detalhes antigos com modernos é uma boa sugestão para banheiros grandes ou pequenos. Banheiras, como a da foto do ambiente idealizado pelo arquiteto Vitor Penha, podem dar um toque a mais. “Tudo retrô pode deixar o espaço carregado”, disse Astrauskiene.

Salas conjugadas? Veja como aproveitar todo o espaço

A internauta Edilena Morais está na fase de construção da nova casa, mas já sabe que a sala de estar e de TV serão conjugadas. A modelagem de unir ambientes está virando quase uma regra nos lares atuais e, segundo as arquitetas Barbara Gomes da Silva e Giulliana Savioli, proprietárias do Studio 011 Arquitetura, a falta de paredes é a solução perfeita para ampliar os ambientes.
Pergunta:
Gostaria de uma ajuda para decorar minha sala de estar e tv, são juntas sem divisão. Medidas 7.60m x 3.75m. Vocês podem me ajudar?
Resposta:
É ótimo que as duas salas sejam juntas e sem divisão. Quando o ambiente é pequeno, recomendamos sempre tirar todas as paredes para garantir a amplitude do espaço.
Se quiser privacidade entre eles, opte por elementos vazados, como estantes, ripas, paineis e cobogós.
Além disso, use cores claras e espelhos em local estratégico – esses truques ajudam a dar a sensação de amplitude do espaço. E lembre-se, sempre que puder, abuse de móveis planejados.

Veja 7 dicas para comprar imóveis para investimento

Quem investe em imóveis – ou deseja começar as negociações – precisa considerar alguns fatores para efetuar bons negócios. Veja sete dicas que você sempre deve considerar.
1. Procure um corretor
Para quem procura um imóvel como uma maneira de conseguir uma renda extra, é importante buscar um corretor para saber quais podem conciliar valorização, liquidez e valor rentável de locação. Por terem conhecimento do perfil e potencial de cada região, os profissionais locais podem oferecer ajuda determinante para encontrar uma propriedade que se enquadre no perfil do investidor.
2. Conheça o histórico da construtora
Para evitar futuras dores de cabeça, ao escolher um imóvel, não basta conferir apenas o apartamento em que se tem interesse. É fundamental conhecer o histórico da construtora. Pesquise os últimos empreendimentos, verifique se eles foram entregues no prazo, assim como os materiais aplicados na construção.
3. Apartamentos pequenos têm mais demanda
Quem procura investir em residenciais normalmente opta por apartamentos de um ou dois quartos. Imóveis pequenos, especialmente se bem localizados, costumam ser alugados mais rapidamente.
4. Conheça a vizinhança
Fatores como a infraestrutura do bairro são fundamentais para a valorização do imóvel.  É sempre bom morar perto de serviços como academias, escolas, padarias; mas, para garantir tranquilidade, o ideal é que eles fiquem a duas ou três quadras de distância.
5. Localização é fundamental
Ao comprar um endereço comercial, a localização ideal é a que não precisa de explicações de como chegar. Conheça o perfil da região e veja qual é o ponto forte do comércio: móveis, roupas, escolas, escritórios.
6.  Áreas comuns valorizam o imóvel
Comprar um apartamento cujas áreas comuns do prédio são entregues pela construtora já decoradas e mobiliadas é outro fator que contribui para sua valorização. Para investidores que querem alugar ou revender, é interessante que esses espaços já estejam prontos.
7. Terreno também é opção
Além da compra de casas ou apartamentos, os terrenos seguem como uma das melhores opções de investimento, principalmente os localizados em condomínios.

Público jovem movimenta investimentos de construtoras

As construtoras têm hoje nos jovens seu principal foco. De acordo com publicação do Diário Digital, os compradores com idade entre 25 e 35 anos representam atualmente até 30% dos clientes de imóveis na planta e até 80% dos que procuram imobiliárias.
É um público considerado exigente e que está mudando a rota de investimentos das empresas. Pensando nele, o mercado tem investido em produtos e preços atrativos. “Hoje os jovens estão com renda própria e querem mais independência”, constata Valéria Gabas, gerente regional da incorporadora Vanguard. Além disso, procuram apartamentos pequenos que facilitam a organização e limpeza. Muitos, ainda, prezam por empreendimentos com área de lazer e que estejam em boa localização, próximos a supermercados, por exemplo.
“Antes era difícil comprar um imóvel, tinha que poupar bastante para dar uma entrada porque as taxas eram altas. Hoje, com a redução dos riscos para os bancos, é possível financiar com uma pequena reserva”, compara a profissional da Vanguard, salientando como melhora da renda e a facilitação do acesso ao crédito imobiliário refletiram no aumento desses jovens compradores.
Os consumidores com idade até 35 anos já são mais da metade dos mutuários da Caixa Econômica Federal que compram imóvel financiado no País. Conforme o banco, eles representaram no ano passado 57% de toda a carteira de habitação.
O presidente do Sindicato de Corretores de imóveis, James Antonio Gomes, ressalta que 80% dos clientes que procuram imóveis para comprar têm entre 20 e 35 anos. Dos 21 imóveis vendidos por James em um empreendimento recente na capital paulista, 17 são de compradores jovens. Segundo ele, as construtoras devem estar cada vez mais atentas, já que clientes mais jovens costumam ser mais exigentes. “É bom prestar atenção porque esse público procura mais além do preço – quer, principalmente, qualidade”.

Vagas de garagem podem valorizar apartamentos em mais de 20%

A falta de vagas de garagens e estacionamentos em determinadas regiões das grandes cidades pode valorizar em mais de 20% um apartamento que inclui vagas em relação a um imóvel semelhante, mas que não oferece vaga para veículos.
Esse é o resultado de um levantamento do Sindicato da Habitação do Rio de Janeiro (Secovi Rio), realizado em oito bairros localizados na Zona Sul e na Zona Norte da cidade. A pesquisa faz parte do Panorama do Mercado Imobiliário de 2014, que será divulgado pela entidade no dia 24 deste mês.
Um apartamento de dois quartos com garagem no Leblon, bairro da Zona Sul, é, em média, 22,8% mais caro do que um imóvel de dois quartos, mas sem vaga, localizado no mesmo bairro. Em Laranjeiras, também na Zona Sul, a diferença é de 22,7%.
Em Ipanema, Botafogo, Méier, Tijuca, Copacabana e Flamengo, os porcentuais são menores, mas ainda ultrapassam 10%. “O valor da vaga de garagem na cidade corresponde, em média, entre 7% a 9% do valor do imóvel”, diz Leonardo Schneider, vice-presidente do Secovi Rio.
Veja, na tabela a seguir, a diferença de preços entre apartamentos de dois dormitórios com e sem vagas de garagem em oito bairros do Rio de Janeiro:
Leblon – 22,80%
Laranjeiras – 22,70%
Ipanema – 19,80%
Botafogo – 18,10%
Méier – 18%
Tijuca – 17,60%
Copacabana – 12,20%
Flamengo  – 10,60%
Fonte: Secovi Rio
A garagem é considerada uma unidade autônoma e faz parte da área comum do imóvel. Seu valor é adicionado ao preço da unidade com base em seu custo de construção.
Mas o custo de uma vaga depende da necessidade de espaços para estacionamento na região na qual está localizada. Quanto maior a procura, mais alto será o seu preço.
Alguns bairros que fazem parte do levantamento do Secovi Rio incluem muitos apartamentos antigos, que foram construídos sem garagens.
Além disso, estão localizados em regiões que limitam a construção de vagas nos empreendimentos. Por ficarem próximos a praias, a areia e água existente no subsolo impedem a construção de estruturas subterrâneas.
Essas características fazem com que, naturalmente, o valor da garagem nesses bairros fique acima da média registrada na cidade.
O vice-presidente do Secovi Rio também cita a falta de investimentos em melhorias no transporte público da cidade, além do aumento do financiamento para a compra de carros nos últimos anos, como fatores que contribuíram para ampliar a necessidade por garagens.
Nos bairros incluídos no levantamento, as vagas ficaram ainda mais escassas com o boom imobiliário registrado na cidade nos últimos cinco anos.
Diversos prédios foram construídos nessas regiões e ocuparam terrenos que antes eram utilizados como estacionamentos, segundo Schneider. “No período, a diferença de valor entre um prédio com e sem garagem dobrou: passou de 10% para 20%.”
Quem tem um imóvel com garagem em um bairro com escassez de vagas, portanto, pode ser beneficiado caso queira vender o apartamento.
A tendência é que a vaga de garagem continue valorizando o imóvel até que haja melhorias no transporte coletivo da cidade, diz Schneider, do Secovi Rio. “Não dá para prever quando isso irá acontecer, mas sabemos que é difícil haver mudanças significativas no curto prazo”.
São Paulo pode seguir o mesmo caminho
Com uma estrutura geológica favorável à construção de garagens nos subsolos dos prédios, além de uma lei que exigia a construção de, no mínimo, uma vaga por imóvel, até há pouco tempo São Paulo não sofria com a escassez de garagens, ou não no mesmo nível que o Rio, ao menos.
Na cidade, vagas em apartamentos de dois quartos em bairros bem localizados representam, em média, de 8% a 12% do valor do imóvel, segundo Ricardo Yazbek, vice-presidente de Legislação Urbana do Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP).
Porém, o novo Plano Diretor da cidade, que define as regras para a construção de empreendimentos, anunciado em 31 de julho de 2014, passou a deixar de exigir um número mínimo de vagas de garagem por imóvel e a limitar o número de vagas de garagem em novos prédios próximos a eixos de transporte público, como corredores de ônibus e estações de metrô.
Nessas regiões, desde julho do ano passado, apenas uma vaga de garagem por apartamento não é incluída no potencial construtivo do empreendimento. Construtoras que quiserem construir prédios com mais de uma vaga de garagem por apartamento ficaram obrigadas a descontar os espaços adicionais do total que pode ser construído no espaço.
A lei antiga permitia que mais vagas de garagem não fossem incluídas no potencial construtivo da obra. “Com os terrenos cada vez mais caros, quem quiser oferecer mais de uma vaga por apartamento nesses locais certamente irá vendê-la por um preço mais alto para compensar a restrição”, diz Yazbek.
O executivo do Secovi-SP acredita, portanto, que a nova regra deve valorizar apartamentos com vagas de garagem já existentes nesses locais. “A diferença de valor entre um imóvel com e sem garagem pode se ampliar e se aproximar da situação verificada no Rio”.
Mas Yazbek ressalta que essa valorização tem um limite no médio prazo. “Daqui a cerca de seis anos, novas estações de metrô e melhorias no transporte público devem diminuir a necessidade do uso de veículos e, consequentemente, das vagas”.
Como muitos imóveis novos ainda serão lançados na cidade sob as regras antigas, o diretor do Secovi-SP estima que o impacto das novas regras só possa ser observado a partir do segundo semestre do ano que vem.

20 truques simples de decoração para transformar sua casa

Decorar uma casa não é uma tarefa fácil. Cada pessoa possui um estilo diferente e deve adequá-lo ao ambiente que deseja mudar.
 
Mas não é só o gosto que deve ser levado em conta na hora de fazer aquela mudança na casa, é preciso pensar em praticidade, funcionalidade, conforto e, muitas vezes, se a ideia que se quer aplicar vai funcionar no ambiente.
 
Segundo o arquiteto Rodrigo Rocha, pensar com cuidado em como decorar é muito importante para estabelecer a harmonia do ambiente: “Nossa casa é feita de pequenos detalhes, cada um com um valor em especial. Mas é preciso cuidado porque é muito comum a gente acumular coisas que gostamos (quadros, vasos, toalhinhas, almofadas, porta retratos e objetos variados) e no final acabam poluindo o ambiente, sobrecarregando a casa de informações. É importante ter noção do espaço que você tem, para então começar a ver reais oportunidades de como ocupá-lo de maneira criativa”, pondera.
 
Mas, e quando a decoração já é a mesma há muito tempo e enjoa-se dela? Para mudar pequenos detalhes da casa sem gastar muito, confira abaixo 20 dicas de coisas que você mesmo poderá fazer para renovar o ambiente, gastando pouco.
 
1. Mude os móveis de lugar
Rodrigo salienta que, antes de qualquer mudança drástica, mudar os móveis de lugar é uma excelente opção. O arquiteto afirma que a disposição dos móveis faz toda a diferença e mudá-los já pode mudar completamente o ambiente.
 
2. Reforme móveis
Caso a mudança de lugar dos móveis não seja suficiente, é hora de colocar a mão na massa. Em se tratando de mudar a decoração a baixo custo, a reforma de móveis é unanimidade entre arquitetos, decoradores e designers.
A arquiteta Ana Carla aconselha uma pintura básica nos móveis, “handmade mesmo”. Já para quem quer se aventurar em texturas, a designer Caroline Marrocos afirma que existem diversos tipos de técnicas que dão resultados diferentes e bonitos: “Existe a pátina, o envelhecimento, o laqueamento… todos podem mudar o estilo do móvel totalmente”, avalia.
 
3. Invista em objetos
Para aqueles que não querem ter tanto trabalho, uma manta, capa de almofada ou capa nova pro sofá podem mudar totalmente a cara do ambiente, segundo Ana Carla.
 
4. Coloque vasos de planta
Outra excelente opção, segundo a arquiteta Ana Carla, é fazer arranjos com vasos de planta, que dão vida ao ambiente. Esta opção se adapta a banheiros, salas, quartos, corredores e até cozinha. O arquiteto Rodrigo Rocha apenas ressalta para alguns cuidados com as plantas: “Não se deve colocar um cacto onde pessoas possam se ferir, por exemplo”, reflete.
 
5. Monte uma parede com quadros ou galeria de fotos – ou tudo junto
Ana Carla diz que outra dica interessante é montar uma parede com quadros. Rodrigo também é favorável à ideia, mas atenta para alguns detalhes: “Tenha cuidado para não sobrecarregar o ambiente e nem gerar conflitos visuais – quadros e fotos, por exemplo, devem estar sempre distantes da TV, pois a dinâmica da observação e contemplação são completamente diferentes.”
No caso das fotografias, os detalhes a se atentar são outros: “Entenda que há ambientes mais acessíveis e outros mais reservados. Aquela foto da mãe amamentando fica no quarto”, exemplifica Rodrigo. Fotos de viagem são uma ótima pedida.
 
6. Pendure itens inusitados na parede
Os espelhos já são velhos conhecidos da decoração. Mas uma galeria com vários espelhos, em diversos formatos e tamanhos é certamente uma decoração que surpreenderá. Molduras vazias, antigas ou novas, coloridas ou não, podem dar um novo ar para a parede que se quer mudar. Por fim, pratos não servem apenas para colocar alimentos. Eles podem ficar lindos se pendurados na parede, formando um mosaico.
 
7. Troque a cortina
As cortinas podem ser excelentes itens de decoração e trocá-las pode ser uma ótima ideia para mudar a cara do ambiente. A mesma dica vale para a cortina do banheiro.
 
8. Faça uma luminária
Uma luminária nova pode ser muito cara, mas existem luminárias lindas que podem ser feitas em casa, que darão um ar totalmente novo (e chique!) ao ambiente.
 
9. Coloque adesivos nas paredes
A designer Caroline Marrocos dá uma ideia para mudar a cara da cozinha sem gastar muito: colocar adesivos de parede. Segundo a designer, existem muitas opções que imitam revestimentos.
Sabe aquele azulejo que você está com vontade de ter mas não quer ter o trabalho de trocar? Um adesivo faz o papel, porém é mais barato e com menos sujeira. Está permitido “colocar” azulejos do banheiro, na sala e até no quarto.
 
10. Cole adesivos de geladeira
Ainda falando em adesivos, que tal um toque bem humorado na cozinha? Adesivos de geladeira são uma excelente maneira de fazer qualquer um rir – e ainda mudar a cara da cozinha.
 
11. Pintar a parede
Para aqueles que querem ousar, pintar uma ou mais paredes do ambiente pode transformar a decoração. “Invista em cores ao invés da segurança dos tons de branco e bege, eles também enjoam como qualquer cor”, aconselha Caroline.
 
12. Papel de parede
Não quer pintar? Invista em um papel de parede bonito e que combine com seus móveis. Ele certamente fará a diferença.
 
13. Reutilize objetos antigos
Dê vida nova a objetos antigos, como bandejas e copos de prata. Exponha-os juntamente com objetos modernos, agregando um ar elegante e sofisticado à decoração.
 
14. Faça um criado-mudo
Com compensado, é possível montar seu próprio criado-mudo, gastando pouquíssimo.
 
15. Faça uma horta
Não sabe o que fazer no jardim? A designer Caroline Marrocos aconselha: “faça uma horta”. Além de mudar a decoração, você ainda contará com ervas aromáticas e alimentos naturais para cozinhar.
 
16. Troque pequenos objetos de tempo em tempo
Rodrigo afirma que em certos ambientes, é exercitando a criatividade que as boas ideias aparecem: “você não pode trocar de privada todo mês, mas pode sempre trocar de toalhas e pequenos enfeites”, avalia.
 
17. Use objetos naturais
Quer criar um ambiente para poder relaxar? Que tal decorar com conchas, areia e vidro, trazendo um ar praiano para o ambiente?
 
18. Exponha instrumentos musicais
Instrumentos musicais são sempre objetos chamativos e agradáveis de se apreciar que podem passar a fazer parte da decoração.
 
19. Pinte sua cabeceira
Sim, isso mesmo que você leu. Pinte a cabeceira da cama na parede e ganhe um móvel novo para o quarto, gastando quase nada.
 
20. Pendure um alvo de dardos na parede
Um alvo de dardos, além de reunir as pessoas, ainda traz momentos de descontração e divertimento, segundo Rodrigo.
Mudar a decoração pode ser mais fácil e barato do que se imagina. Com boas ideias, vontade e criatividade, a casa pode ganhar uma cara totalmente nova, sem pesar no bolso.